Youtube: 3 truques que ninguém te conta!
Tecnologia: o lado bom, que ninguém vê
3 lugares para conhecer no estado de SP
pessoal category image Pessoal
Kauã dos Reis Freitas
17 de novembro de 2014

Eu sempre tive minha menstruação bagunçada… Então demorei pra desconfiar…

Em julho fui a uma festa do milho aqui na minha cidade, com o Júnior e uma amiga, a única coisa que comemos em comum foi um churros… Os três passaram mal no dia seguinte… Mas eles melhoraram e eu continuei enjoadinha… Álcool começou a me fazer vomitar instantaneamente e viagens de ônibus então… Vish… Parei de beber, cortei totalmente a bebida (ainda bem!), mas jurava que estava tendo ataques de gastrite nervosa, porque os “sintomas” eram os mesmos e eu estava passando por um momento de muuuuito estresse (perdi uma vaga num concurso por causa da greve da minha “querida” faculdade! :/).

Depois veio uma dorzinha no seio, mas eu fazia academia e estava fazendo muito exercício de braço, então achei que era isso… E minha menstruação nem estava tão atrasada assim…

Mas, depois de vomitar algumas vezes, no dia 16/08 resolvi finalmente fazer um teste… E lá estavam os dois tracinhos rosas que significam alegria ou desespero extremo, depende da mulher…

Pra mim, significou: confusão. Chorei, não nego, chorei umas duas horas seguidas. Nem imagino o que o Junior, que teve que sair pra trabalhar assim que viu o resultado, passou. Mas depois ergui a cabeça, contei pra minha mãe e fui comprar dois livros pro meu bebê. “Fraldas? Que nada! Ele será o bebê leitor mais fofo do mundo”.

Decidi encarar essa gravidez como o maior presente que eu pudesse ganhar na vida! Um serzinho sendo gerado dentro de mim e que eu seria responsável por ele pra sempre!

No dia 18 bem cedo eu já estava no postinho de saúde marcando meu primeiro pré-natal… Mas SUS vocês sabem como é, né? Marcaram pra dali uma semana e, quando eu cheguei no dia da consulta, a médica faltou. Remarcaram, quando eu fui de novo, ela nem olhou na minha cara e pediu uma ultrassom que até hoje eu não fiz…

Quando contei pro meu pai que ele ia ser avô ele decidiu me ajudar financeiramente com médico e fui fazer o pré-natal no particular. Cheguei toda contente e amei a médica que me atendeu. Marcamos a ultrassom pro dia 30/08 e lá estava eu. Fui sozinha e ouvi o coração do meu maior amor pela primeira vez, já estava com lágrimas enchendo meus olhos quando o médico soltou: “parece que tem alguma coisa errada com a cabeça do bebê, mas só quando ele estiver maior vai dar pra ter certeza”… Dei graças a Deus estar sozinha, precisei digerir muito aquela informação. Não chorei, as lágrimas secaram instantaneamente. Fiquei pensando que era um queixo amassado, um caroço que teria que tirar com cirurgia, qualquer coisa, algo sério, mas algo pelo qual eu passaria.

Saí da sala atônita, o médico não disse mais nada, pediu pra eu esperar lá fora enquanto digitava o laudo. Meu pai me perguntava “como foi?” e eu só soube falar “parece que tem alguma coisa na cabeça do bebê”. Peguei o laudo, li a palavra: acrania, seguida de interrogações e a menção que de só seria confirmado em exames futuros.

Cheguei em casa, depois de um percurso de 10 minutos, mas que parecia levar horas e corri para o sr. Google, pesquisar a palavra estranha, que já tinha um significado formado na minha cabeça, mas que eu me esforçava em convencer que significava qualquer coisa corrigível com uma cirurgia. Infelizmente a primeira impressão estava certa: má formação da calota craniana, evolui para anencefalia, incompatível com a vida. Li blogs, li artigos, li textos científicos, li depoimentos de mães, em inglês, espanhol e português, revirei a internet atrás de informações sobre acrania, jurando pra mim mesma que não iria evoluir pra anencefalia, que meu bebê teria uma chance e viveria tanto, ou até mais, quanto a Vitória de Cristo, que viveu quase três anos e evoluía bem. Toda vez que os artigos e as informações sobre acrania me levavam a algum dado ou sie sobre anencefalia, eu parava de ler, não queria aceitar que a acrania evoluiria para a anencefalia, não no meu bebê, no meu primeiro bebê.

Eu sabia o que era anencefalia, a falta do cérebro no feto, e sabia também que a interrupção de gravidez nesses casos era legalizada e sabia que a decisão caberia a mim, somente a mim. E sabia que decisão iria tomar, mas acontece que meu bebê não tinha anencefalia, e ponto.

Na consulta a médica me disse tudo o que eu já sabia, que acrania era a falta de um “pedaço” do crânio, no caso do meu bebê era a parte acima da nuca, que era sério, mas que eu deveria esperar o bebê crescer mais pra confirmar, enquanto isso deveria tomar ácido fólico, curtir a gravidez e tentar não me preocupar “a toa”.

A espera me matava, eu sempre soube que se um dia eu engravidasse seria “sem querer”, sempre tive dúvidas e mudava de opinião toda hora sobre se eu queria ser mãe ou não… Então eu sabia que viria assim, sem aviso prévio, na hora que tivesse que vir. Estava tranquila quando descobri a gravidez porque sabia que estava na época mais saudável da minha vida, cuidando da alimentação e da saúde, emagrecendo e não tomando anticoncepcional, então poderia vir ou não, mas se viesse, seria bem vindo.

Passei do dia 30/08 ao dia 17/09 (dia da segunda ultrassom), pesquisando TUDO (o que não era muito), sobre acrania, entrando em grupos de apoio no face (aos quais sou imensamente grata), desabafando, sentindo nervoso, fazendo tudo, menos, infelizmente, curtindo a gravidez. O tempo passava e nunca senti meu bebê mexer, nunca senti muito além de um cantinho da barriga duro e sono… Muito sono. Sono que vinha acompanhado de pesadelos, que ainda vem acompanhado de pesadelos… Eu, aos 23 anos, sem emprego, sem conseguir me formar na faculdade por causa de uma maldita greve, grávida de um bebê que eu talvez nem conheceria…

O apoio da minha família e do Junior foi a melhor coisa, dormir todas as noites no ombro dele espantava a maioria dos pesadelos, que vinham mais na hora em que ele não estava. Chegar em casa e ver o Yuki, meu cachorro, também me confortava de um jeito inimaginável.

Dia 17/09, finalmente, fui fazer minha segunda ultrassom, minha mãe veio pra minha cidade e não soltou minha mão um minuto. A conversa sobre a decisão que eu tomaria caso o diagnóstico fosse confirmado não precisou existir, minha mãe me apoiava e decidimos que, se ao sair dali o médico nos desse a incrível notícia de que meu bebê iria viver, iríamos rodar a cidade comprando o enxoval, ela jurava que sua primeira netinha seria menina. Minutos antes de entrar na sala eu simplesmente entreguei nas mãos de Deus, disse, em oração, que ele fizesse o que pudesse, o que fosse certo e abençoasse a minha decisão.

Fui “forte” até a hora de entrar na sala, quando sentei na cadeira onde seria examinada, desabei em choro. O médico entrou e perguntou o porquê, se minha mãe não tivesse lá, eu não conseguiria falar, ela explicou a situação, que estávamos ali não por rotina, mas para descobrir de uma vez por todas se o bebê estava bem, ou não. O médico então começou e foi direto ao assunto: “é… Realmente há uma má formação, não formou encéfalo…”, eu só completei: “anencefalia…” e ele concordou com a cabeça “sim, não há mais dúvida nenhuma, dá pra confirmar agora”. No silêncio, ficou claro que eu já sabia tudo o que precisava saber, ele continuou, ouvimos o coração, as lágrimas secaram de novo e eu pedi: “dá pra ver o sexo?”. Ele fez o que podia, eu estranhei que meu bebê estava exatamente na mesma posição da outra ultrassom e, mesmo com o chocolate, que dizem ser milagroso, e vários chacoalhões que o doutor deu, ele não se mexeu nem abriu as pernas, mas o médico me disse que tinha 90% de chance de ser um menino. O nome já havia sido decidido por mim há tempos: Kauã, meu amor maior.

Saímos da sala, eu e minha mãe, para esperar o laudo, chorei, choramos… O laudo veio e lá estava, confirmado: anencefalia.

A acrania, por fim, evoluiu para anencefalia, meu maior pesadelo, o que eu mais temia, se tornou real. E minha decisão já estava tomada, sabia dos riscos que correria, sabia de como apontariam os dedos pra mim e me criticariam, sabia que enfrentaria muita coisa, mas já tinha tomado. Saí dali e fui tomar um sorvete com a minha mãe, meu pai se juntou a nós e me deu o abraço mais forte que já recebi em toda a minha vida. O Junior, mais tarde, me deu um abraço igual.

Na consulta, minha médica me explicou o que eu já sabia e me deu as opções: continuar com a gravidez, ou interromper, mas de qualquer forma eu seria encaminhada a outro hospital, onde havia UTI neo-natal e onde eram atendidas todas as gravidez de risco da cidade.

Sim, eu decidi interromper a gravidez. Eu tinha decidido isso da primeira vez que eu ouvi falar sobre anencefalia, eu tinha decidido isso anos antes de sonhar em engravidar, quando soube do que se tratava, do quanto seria difícil levar uma gravidez até o final sabendo que não haveria chorinho de bebê, que não o levaria pra casa, que haveria apenas um vazio. Sabia que eu não seria forte o suficiente para levar isso adiante. Sentia inveja e orgulho de quem conseguia, mas EU, não conseguiria.

Com a gravidez avançada, entrando no quinto mês, nenhum médico, mesmo com a lei dizendo que não era necessário, aceitou fazer o procedimento sem um aval judicial. E lá fui eu esperar mais algumas boas semanas, correndo atrás de advogados, promotores e juízes, para conseguir essa autorização.

Não era um aborto, era um parto antecipado, eu tomaria remédios que forçariam a contração e a saída do bebê, eu passaria pela experiência do parto, mas seria antecipadamente, para não levar o Kauã na barriga os nove meses, pra não prolongar o sofrimento meu, dele e de nossa família inteira.

A autorização demorou, mas saiu e, quando internei descobri que não precisaria mais, porque o coração do Kauã já não estava batendo, por fim foi feita a vontade de Deus e realmente aquela era a hora dele.

Fiquei uma semana internada, minha mãe veio, largou o serviço, largou tudo e veio ficar ao meu lado, ela dormindo em uma cadeira e eu recebendo remédios e calmantes de seis em seis horas, que não fizeram efeito, até que decidiram me colocar no soro, eu com toda minha fobia de agulhas, tomando soro por mais de 24 horas… Fui SUPER bem atendida, só tenho palavras de carinho, amor e elogios para dirigir à equipe do hospital, mesmo sendo do SUS, ficamos em um quarto só eu e minha mãe. Eu, o Kauã e nossa decisão foi respeitada o tempo todo e eu conseguia sorrir e me acalmar.

No dia 03/11/2014 eles vieram me dizer que, se o soro não fizesse efeito, iriam colocar uma sonda para forçar o parto de uma vez por todas, eu não queria isso, queria o parto mais normal possível, senti medo pela primeira vez e, por milagre ou como vocês quiserem chamar, o soro começou a fazer efeito. Ás 13h, mais ou menos, uma dor insuportável, chamada contração, começou e não passava. Minha mãe tinha tido apenas cesárea e dizia que não estava na hora, eu dizia “mãe, por favor, chama a enfermeira, eu SEI que está na hora”, até que ela tentou me virar na cama e a dor foi tão intensa que comecei a gritar… As enfermeiras vieram correndo fazer o toque e, no fim, eu estava certa, estava na hora, estava tão na hora que aconteceu tudo ali mesmo, no leito. Não houve tempo do médico chegar, não houve tempo de me levarem para a sala de parto. Eu gritava que não ia conseguir, elas me incentivavam a fazer força “com a barriga, não com o pescoço” e, de repente, eu mesma, com uma força que sabe Deus de onde saiu, estourei minha bolsa. E, em seguida o Kauã nasceu. Naquele silêncio que eu vinha me preparando para enfrentar, aquele silêncio que significava o que a enfermeira me confirmou em seguida “nasceu morto”.

Deu tudo certo, a placenta saiu e não precisei de curetagem nem nada, foi tudo normalzinho, “do jeitinho que eu queria”… Não quis ver o Kauã, não sei se escolhi a coisa certa, mas dias antes eu havia sonhado com ele, lindo, vivo e perfeito e quis ficar com essa imagem na minha cabeça, com medo de me chocar muito, com medo de ter mais medo depois, com medo dos pesadelos depois de um sonho tão bom. Ele tinha apenas 350 gramas, essa é a única coisa que sei em concreto sobre ele… Minha mãe, coitada, que nem o parto queria assistir, teve que ver tudo ali, ao meu lado, porque foi tudo rápido demais e no leito. Mas ela também não quis ver o Kauã daquele jeito. Nem meu pai. Ficamos com a melhor imagem que tínhamos dele. Fiz certo? Fiz errado? Não sei, mas foi o que consegui fazer naquela hora.

Ainda tenho sonhos, ainda tenho pesadelos, coloco a mão na minha barriga e tenho medo de apertar, parece que não foi real, parece que ainda estou grávida. Parece que não foi real, parece que nunca fiquei grávida. É confuso.

Mas sei que, no fundo, tudo acontece por um motivo e que um dia eu talvez entenda, ou talvez não…

O Kauã é meu filho, meu primeiro filho e, mesmo não curtindo a gravidez, mesmo com incertezas e pesadelos, eu o amei e eu o amo demais… E sinto falta dele, mas sei que fiz a escolha certa pra nós dois. Evitei um sofrimento maior do que o sofrimento que estou enfrentando agora…

 

E escrevo aqui esse relato para que as pessoas que tomarem a mesma decisão que eu saibam que não estão erradas, que não há decisão certa ou decisão errada, há apenas pessoas que devem ponderar o que é melhor pra saúde mental delas. Afinal de contas, é contra a natureza das coisas o filho ir primeiro que a mãe. E a dor é sempre pra quem fica. E ninguém merece essa dor. E Deus não nos dá carga maior que aquela que possamos carregar. E não devemos tentar levantar mais peso se sabemos que não aguentamos. E se não aguentamos precisamos ser honestos conosco. No fim estaremos sós, ninguém jamais vai segurar nosso fardo e sentir nossas dores, por mais que estejam ao nosso lado e jurem entender.

Kauã, meu amor maior, meu pequeno príncipe, sei que você está aí em alguma estrela pequenina cuidando de uma rosa e rindo dos guizos a noite. Nunca ouvi sua voz, porque não preciso de suas palavras, apenas do som do seu coração… E esse eu ouvi muito e ainda ouço todas as noites em meus sonhos! Te amo!

Share

Post por: K-Chan Nhayök




15 Comentários em “Kauã dos Reis Freitas”


Marina 19-11-2014

Aime, estou escrevendo com os pés porque as mãos estão aplaudindo!
Cara, você conseguiu me fazer chorar, aliás transbordar. Desde de quando te conheci (dois dias :p) já te considerei guerreira, pelo simples fato de confiar em mim, pelo simples fato de não ter deixado ninguém tirar o sorriso do seus lábios.
Sabe, certa vez eu fui contra isso, de tirar o bebê. Mas na Igreja onde frequento nós fazemos reuniões para disuctir assuntos e talz (pós-crisma), e lá eu vi alguns depoimentos de pessoas como você, e sério, eu não acreditei que fui capaz de pensar aquilo. Não sei como fui capaz de julgar pessoas que enfrentaram e enfrentarão dores bem piores que eu já congitei sentir. Como você disse, a decisão nesse momento é apenas da mãe! E não tem isso de certo ou errado, todas estão certas pelo simples fato de serem guerreiras e terem que decidir!
Sei que Deus colocou isso na sua vida para lhe mostrar alguma coisa, e tenho certeza que você irá descobrir! Afinal, Deus só lhe dá obstáculos que podem ser superados.
Parabéns por toda determinação, você sim é um exemplo de vida ♥

Grande beijo!
http://garota-interior.blogspot.com.br/

| Responder
K-Chan Nhayök 20-11-2014

obrigada pelo comentário e pelo carinho! <3

eu sou contra aborto pelo aborto, pelo simples fato de vc nao querer ter o bebe e tirar a vida de um ser saudável, acredito em Deus, acredito muito, tanto que me coloquei num conflito moral mto grande e estou nele até hj por causa da minha decisão. Mas ao mesmo tempo acredito que a igreja não deve influenciar no governo de um país e tiro como exemplo os estados unidos e portugal, lá o aborto é legalizado, mas a taxa de abortos é menor que a taxa de abortos ilegais realizados nos países como o Brasil, onde o aborto não é legalizado... E também vi um estudo que as pessoas abortam mto mais qndo descobrem a sindrome de down do que quando descobrem anencefalia, achei isso um absurdo! o bebe com sindrome de down nasce e vive quase perfeita e independente por muitos anos! 🙁
mas é tudo uma questão de escolha e continuo defendendo que ngm humano deve julgar, esse julgamento será feito com Deus e só Ele sabe de todas as coisas... 🙂

Um beijo bem grande, amei te conhecer e amei seu blog! o/

| Responder
Kris Oliveira 21-11-2014

Aime obrigada por compartilhar conosco essa tua experiência e nos emocionar tanto.
Admiro muito a sua força. Não sei como estaria no seu lugar, sou mãe e sei bem o que esse momento representa na vida da gente.
Também sei que nessas horas nenhuma palavra é capaz de amenizar a dor que nós sentimos, mas nunca devemos perder as esperanças e deixar de acreditar que amanhã é um novo dia. E que essas experiências acontecem para nos fazer evoluir.
Sinta-se abraçada, Kauã sentiu o seu amor o tempo que ficou no aconchego do seu útero e se ele se foi cedo, é porque esse era o tempo que ele precisava do amor de uma mãe querida antes de evoluir.
Sinta-se abraçada ♥

| Responder
K-Chan Nhayök 21-11-2014

Kris, mais uma vez obrigada hahaha
Suas palavras me tocaram muito também!

Sinta-se abraçada de volta e tb desejo todas as coisas boas pra você e pra linda da Alice!

| Responder
Gisela 21-11-2014

Aime,
seu texto é realmente um relato pesado, triste, mas corajoso.
Sou católica, mas ainda assim, acredito que a mulher tem que decidir se terá ou não terá um filho, ainda mais em situações como esta, onde, nem você e nem Kauã teriam uma vida completa. Ambos teriam uma semi-vida.
Espero que você esteja bem, e que supere essa dor que, nem de longe, eu sei como é.

Livre Leve Livro

| Responder
K-Chan Nhayök 21-11-2014

Obrigada pelo carinho! 🙂
Sou cristã e nunca fui a favor do aborto, mas em caso como esses acredito que Deus sabe que mulher fez por mal e que mulher realmente não aguentaria ir até o fim da gravidez, tanto que, como contei, o coração do meu amorzinho parou antes de eu internar… Assim como vc acredito que cada mulher deva decidir o que fazer com o próprio corpo e se tem alguem que pode julgar esse alguém não é humano, é Deus <3

| Responder
Jhéssyk Thielly 21-11-2014

Me emocionei com tua história e te admiro muito pela decisão e pela força que você encontrou em meio a tantas dificuldade .. que Deus continue abençoando a sua vida.

| Responder
K-Chan Nhayök 21-11-2014

Amem Jhéssyk! Obrigada pelo carinho e pelas palavras! Que Deus te abençoe também! 🙂 Obrigada mesmo por tirar um tempinho pra ler meu post! 🙂

| Responder
Izabella 23-11-2014

Aime, você fez um comentário tão lindo e carinhoso no meu blog, vim conhecer o seu e me deparo com esse post. Confesso que estou sem palavras, sua coragem, a verdade de sentimentos por trás de toda essa situação são admiráveis, coisa de mãe mesmo!
Deus te presenteou com um anjo e te deu a oportunidade de ser mais corajosa do que pensava ser.
Parabéns por ter vencido tudo isso, que Deus te abençoe cada dia mais!
Não quero perder o contato com você!
<3

| Responder
Giovanna Fogaça 10-03-2015

Chorando.

Você é maravilhosa, te amo!

| Responder
Relato de Parto Antecipado – Aime Reis | Matrioska Cuiabana 16-04-2015

[…] Esse relato de parto antecipado que publico hoje é de uma amiga muiiiiiito querida, é o relato da Aime Reis e do seu pequeno Kauã, que deixou muitas saudades por […]

| Responder
Relato de Parto Antecipado – Aime Reis ◂ Matrioska Cuiabana 23-04-2015

[…] Esse relato de parto antecipado que publico hoje é de uma amiga muiiiiiito querida, é o relato da Aime Reis e do seu pequeno Kauã, que deixou muitas saudades por […]

| Responder
Ohara 13-07-2015

Kla, Te admiro pela pessoa incrível e adorável que você é, ta, eu sei q eu nunca te conheci pessoalmente, mais sei pq vc responde todo mundo, não é só
eu não, é todo mundo que lê seu “diário virtual” na net bem, sempre tratando bem as pessoas que te lê na resposta de cada comentário. E tambem, te
admiro por isso, além de ser uma pessoa adorável, ser uma mulher muito guerreira.
Muito corajosa, isso se percebe pelo seu relato emocionante. #sempalavras
É.nessas horas não tem uma palavra que dizem que seja “confortável” no dicionário que consiga “confortar” uma pessoa numa cituação como a sua. como
deve ser difício encarar essa realidade tão maluca&que bom que vc não morreu, mais é uma pena q seu bebê tenha vindo a falecer&eu não quero engravidar
Nem agora, e nem tão cedo.tenho medo de passar uma cituação dessas, sabe?
como vc costumava a dizer em certos posts antigos, Beijos meliga

| Responder
K-Chan Nhayök 13-07-2015

aawn sua linda! obrigada! suas palavras sao mto importantes pra mim! <3
beijao e obrigada por todo o carinho!

| Responder
Klaryan.com » Arquivo Harry Potter e o Expresso Mágico 2016 – Klaryan.com 08-09-2016

[…] o suficiente a Michele, uma amiga que conheci em um grupo de grávidas quando estava esperando pelo Kauã ♥ Ela me deu o ingresso para o evento Expresso Mágico 2016, organizado por alguns Youtubers e […]

| Responder

Comentar






*Para que sua foto apareça aqui é necessário que você tenha uma conta no Gravatar.
*Sem spam e sem xingamentos nos comentários.