Youtube: 3 truques que ninguém te conta!
Tecnologia: o lado bom, que ninguém vê
3 lugares para conhecer no estado de SP
pessoal category image Pessoal
Day 06 – Você escolhe
5 de junho de 2010

O post de hoje faz parte de uma série de posts chamada: Projeto 30 Days, trarei 30 posts sobre 30 temas super legais!

Dê uma olhada nos meus posts anteriores também e sinta-se a vontade para comentar naquele que mais te agradar!!! Eu retribuo todos os comentários!

Para ler todos os posts do Projeto, clique aqui.

Hoje vou falar do meu cachorro!

Ganhei o Brutos quando tinha 6 anos, 1997. Ele veio com a irmãzinha dele e era só uma bolinha de pelo negra, minúscula e medrosa. A raça? Mestiço de Doberman, mas mais doce que ele não existia.

A irmã dele fugiu de casa e eu nunca mais a vi. Ela era serelepe e eu amava brincar com ela. Passava o dia todo jogando bolinha, fazendo carinho.

Já o Brutos não era muito de brincar, ele tinha muito medo, muito mesmo! Ficava o dia todo escondido de baixo de uns galhos de árvore que haviam no quintal da casa que eu morava. Nem mesmo um gambá o fazia sair de lá, o que fez com que o cachorro ficasse com um cheiro ruim e precisasse tomar banho toda vez que conseguíamos tirá-lo de seu ‘esconderijo‘. Mas quando a irmã fugiu, acho que ele percebeu que iria precisar se aproximar.

E foi assim, depois disso ele se tornou o melhor companheiro de todos os tempos. Ficava chorando horas a fio quando a gente saía e só parava quando voltávamos, era o terror dos vizinhos. Meigo, carinhoso, não fazia mal nem pra uma mosquinha, fugia até de gato! Mas quando a gente precisava ele tava sempre lá. Um dia um ladrão tentou assaltar uma loja que ficava ao lado da nossa casa e o Brutos o assustou com seu latido forte e cara de bravo, mas só a cara mesmo porque ele era um molenga hehe

Ás vezes o Brutos me pregava uns sustos e me fazia chorar. É que ele tinha mania de fugir de casa e passar dias sem voltar! Já chegou a ficar uma semana sem voltar pra casa! Quando a gente abria o portão tinha que segurar o Brutos, mas ele ficou um cachorrão grande e forte e ás vezes nossa força era insuficiente e lá íamos nós correr, sem sucesso, pra tentar trazer o Brutos pra casa. Não tinha jeito, ele ia embora e só ia voltar quando desse na telha.

Uma vez, a gente ia mudar de casa e na hora de sairmos o Brutos conseguiu fugir. Não teve jeito, mesmo com muito choro, fomos embora. Só consegui voltar pra buscá-lo uma semana depois. E não é que o Brutos tava lá, quietinho, tranquilo, guardando a casa antiga como todo bom cachorro? E quando ele me viu, veio pulando, me lambeu, me abraçou. Voltamos juntos pra casa, eu de bicicleta e o Brutos, que passou uma semana sem comer direito, sem cuidado nenhum, correndo e brincando comigo, no maior pique de cachorro filhote, mas ele já tinha cerca dos 6 anos! Pra um cachorro isso é muito tempo!

Quando meus pais se separaram o Brutos foi, digamos que, um dos motivos pra eu escolher ficar com meu pai. O Brutos ia ficar com meu pai. E eu precisava cuidar dos dois.

Quando meu primeiro namorado, o primeiro cara que eu tinha amado, beijado, gostado, quando ele me traiu, o Brutos ficou comigo ao meu lado, cuidando de mim, fazendo meu choro parar, me ouvindo. Ele também secou muitos outros choros meus.

Por essas e outras ele é tão especial.

O Brutos morreu no dia 06 de junho de 2007, amanhã farão 3 anos. O incrível é que ele morreu no dia do aniversário do meu primeiro namorado. Acho que é pra eu não esquecer de como ele me ajudou com esse ‘problema’ que enfrentei né? Pra eu sempre me lembrar que a gente sempre supera tudo.

Não foi de doença, foi de velhice mesmo, morreu com 10 anos, tava cansado, nem latia mais, mal erguia a cabeça, mas ainda era o melhor companheiro que alguém poderia querer ter. Um dia antes eu tinha dado banho nele e tava brigando porque ele queria fugir e se sujar, mas deixei. Ele passou a noite fora e voltou de manhãzinha, sorrindo. Aí ficou deitado o dia todo.

Meu erro foi ter saído aquele dia, fui visitar minha mãe e, quando voltei, o Brutos, que tava na casinha dele, sem conseguir nem levantar direito, havia se ‘arrastado’ até a porta da cozinha e ali ele morreu, esperando que eu abrisse a porta e o abraçasse, como ele sempre fez comigo. Eu não pude abraçá-lo, mas eu faço isso todos os dias, nos meus sonhos. Até hoje eu sonho com ele, sonho que ele volta, sonho que ele não morreu, sonho que ele tá aqui comigo.

Estou escrevendo esse post, chorando, ainda mais porque amanhã é dia 06/06. Mas também porque eu sei que eu dei o meu melhor pro Brutos e o Brutos deu o melhor dele pra mim.

Share

Post por: K-Chan Nhayök




7 Comentários em “Day 06 – Você escolhe”


Felipe Nasca 05-06-2010

Me comovi com o seu post. Eu tive um cachorro que perdi em pouco tempo. Eu morava em Poá, o nome dele era Ringo, e morreu pouco tempo depois de ficar adulto, vítima de doença. Como eu só tinha 5 anos, meus pais foram muito habilidosos em esconder a parte “pior” de mim (que era ver o corpo) e o enterraram antes de me avisar.

Foi a única vez que eu chorei. Depois desse, perdemos uma cadelinha que se soltou e foi atropelada no dia em que mudaríamos de casa (de São Paulo para Guarulhos). Mas eu não chorei, o que não necessariamente significa que eu não amasse a cadelinha ou não lamentasse a perda dela. Mas a vida acabou endurecendo meu coração para certas coisas… “endurecendo” entre aspas, porque eu sinto, mas em certas ocasiões, me contenho. Geralmente é naqueles momentos em que todo mundo entra em pânico ou se acaba em lágrimas… nessas horas eu fico inexplicavelmente calmo.

Lindo post! ^^

| Responder
Laiinee 06-06-2010

Que linda a sua historia com o Brutos, ele foi seu melhor amigo pode ter certeza, eu sempre tive medo de cachorro, ai comecei a namorar e meu namorado tinha 2 cachorras 1 salsicha e a outra pastor alemão, ai a Nikita (salsicha) engravidou e teve o dougie, quando o Dougie completou 1 ano ele engravidou a mãe dele e ela teve o Junior (que por ser filho do irmão e da mãe não cresce, é a coisa mais linda do mundo) e vai fazer duas semanas que ela teve o Pooh *-* e desde então eu aprendi a amar todos, e sempre que eu chego na casa dele os cachorrinhos brincam comigo e quando vou embora eles começam a chorar e tem muito ciumes de mim, principalmente o junior, a Nikita tá velhinha tem 9 anos e por causa de 3 parto em menos de 3 anos e por causa da idade ela não consegue andar direito nem pular, ela esta muito velhinha e muito fragiozinho, ela fica chorando e se afasta da gente e quando ela morrer meu namorado que é todo machista e tals vai chorar litros que eu sei, e eu morro de pena dela.
Beijos

| Responder
Priscila 06-06-2010

Por esses motivos que acho que adotar/comprar um cachorro tem que ser algo BEM pensado/planejado!
Acho tão lindo histórias como a sua, que mostra que apesar do grande número de abandonos de cachorros, ainda existe gente que se importa e MUITO com seus animais de estimação :D!

| Responder
loma 06-06-2010

lindo demais! eu imagino qdo os meu morrerem.. tenho um q tá bem velho… eles se tornam tão amigos e fiéis, q a gnt nem sabe como reagir né??? lindo seu post! e q legal q vc tá no 30days.. farei de td pra vir checar td dia =)

| Responder
Klaryan.com » Blog Archive » 30 days 26-06-2010

[…] Day 03 – Programa de TV; Day 04 – Filme; Day 05 – Citação; Day 06 – À sua escolha (sobre o Brutos); Day 07 – Uma foto que te faça feliz; Day 08 – Uma foto que te faça […]

| Responder
TAG: Minha primeira vez | Klaryan.com 25-11-2013

[…] Foi o Brutos e tem foto e post sobre ele contando toda a trajetória desse cachorro maravilhoso com quem eu sonho até hoje aqui! […]

| Responder
» Arquivos E quando eu estiver triste… – Klaryan.com 21-01-2015

[…] esperava estar sozinha dispensava família, amigos, namorado e ia pro quintal de casa chorar com o Brutos, só ele e mais ninguém, depois dele teve o Pingo… Talvez por essa razão, ficar sem um […]

| Responder

Comentar






*Para que sua foto apareça aqui é necessário que você tenha uma conta no Gravatar.
*Sem spam e sem xingamentos nos comentários.